Follow by Email

Total de visualizações de página

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Qual o milagre?


Redes de supermercados de Porto Alegre apresentaram hoje suas ofertas de vinhos para alegrar o fim de semana dos apreciadores.

Com esses preços é para alegrar mesmo!!!

Algumas ofertas chamam a atenção porque constituem verdadeiros milagres da matemática.

Dou alguns exemplos:

Vinho argentino Santa Ana embalagem de 1 litro: R$ 8,90

Vinho argentino Rio Seco embalagem de 0,75 l: R$ 8,90

Vinho chileno Panul RESERVA: R$ 14,90


Vinho uruguaio Los Teros: R$ 9,90

Não questiono a qualidade porque se estes vinhos vendem, estão nas prateleiras, é porque alguém gosta e se gostam, é bom.

Questiono qual é o milagre que permite que:

- Governos levem o que é deles através do Imposto de Importação, ICM (devidamente acrescido com a ST), IPI, PIS, Finsocial, Cofins, Imposto de Renda e outros que não lembro ou não sei pronunciar.

- Supermercado tenha lucro pagando o produto, o frete, os impostos e os custos indiretos.

- Produtor na Argentina, Chile ou Uruguai ganhe alguma coisa após o pagamento da caixa de papelão, da rótulo, da cápsula e da garrafa.
Desculpa, ia me esquecendo, também pagar a uva e os custos para elaborar o vinho inclusive amortização do capital invertido.

Todos os produtores brasileiros de uva, vinhos e espumantes temos de lotar ônibus para ir a estes países aprender como se produz barato. Não vamos pensando em qualidade porque a viagem será em vão. Só na forma de ganhar produzindo a qualquer custo.

Está aí uma sugestão de ação para o Ibravin. Pagar ônibus, hotéis e gastos com traslados e refeições.
Não será uma viagem de avião com todas as mordomias como na Copa das Confederações más valerá a pena enfrentar um confortável carro-leito por esta causa.

Talvez seja esta a única maneira de evitar que mais cantinas gaúchas fechem suas portas.

Talvez seja esta a única maneira de salvar as pequenas cantinas familiares, artesanais.

Talvez seja esta a única maneira de preservar este magnífico patrimônio cultural que é a vitivinicultura brasileira.


2 comentários:

Fernando Carvalho disse...

Prezado Adolfo. Você acha o que desses fatos? Dumping? Economia de escala?

Adolfo Lona disse...

Meu caro Fernando: Não sei e por isso meu questionamento. Economia de escala não é porque muitas marcas são produzidas e engarrafadas em cantinas pouco conhecidas. Acho que é vinho feito com uvas de altíssima produtividade (Criolla, Pais) e vinhos que sofreram ajustes na graduação alcoólica para o mínimo razoável e corte com vinhos brancos para baixar custos. Abraço